NOTÍCIAS

Esteja por dentro
das últimas notícias da
Marjan Farma

Colesterol - 22/08/2017

A hipercolesterolemia é o aumento do colesterol no sangue. Embora tenha funções fundamentais, como a produção de hormônios e da vitamina D, quando está aumentado, o colesterol representa um importante fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

O colesterol é transportado pelo LDL e pelo HDL. O LDL leva o colesterol para a circulação e permite que ele se deposite nas artérias, por isso, o LDL é conhecido como mau colesterol. Já o HDL carrega o colesterol para fora das artérias, por isso é chamado de bom colesterol. 

Causas e Consequências

O acúmulo de colesterol nas artérias forma placas de gordura que, com o tempo, pode levar a uma obstrução do fluxo sanguíneo das artérias de qualquer lugar do nosso corpo. Quando ocorre no coração, leva ao infarto do miocárdio, e quando obstrui uma artéria do cérebro, leva ao acidente vascular cerebral (encefálico), também conhecido como AVC ou AVE.

Mais comumente, a hipercolesterolemia resulta da interação de fatores genéticos, sedentarismo e má alimentação. No entanto, algumas doenças também causam níveis elevados de colesterol, tais como o hipotireoidismo e problemas no fígado. 

Sintomas

O colesterol elevado não provoca sintomas, nem mesmo quando começa a formar placas de gordura nas artérias. Por isso, caso a hipercolesterolemia não seja detectada precocemente, a primeira manifestação da doença pode ser um infarto do miocárdio ou um acidente vascular cerebral.

Diagnósticos

O diagnóstico depende da dosagem sanguínea do colesterol total, do HDL e do LDL. A coleta de sangue deverá ser realizada após jejum de 12 horas. Além disso, evitar ingestão de álcool e atividade física vigorosa nas 72 e 24 horas que antecedem a coleta de sangue, respectivamente.

Tratamento 

Para uma parcela dos casos, o tratamento inicial combina orientação alimentar e prática regular de atividade física. Porém, algumas pessoas precisam da associação de medicamentos, especialmente as estatinas, que agem diretamente no fígado, o órgão que produz o colesterol.

Recomendações

Ingerir frutas, verduras e vegetais folhosos, diariamente    
Utilizar farelo de aveia, farelo de trigo e linhaça   
Consumir soja frequentemente   
Preferir carnes brancas (aves e peixes)   
Preferir as preparações cozidas, assadas ou grelhadas   
Usar de preferência óleos vegetais como soja, milho, girassol e canola   
Usar leite desnatado e derivados com baixo teor de gordura   
Utilizar azeite de oliva extra-virgem em pães e preparo de saladas   
Preferir alimentos integrais (pães, biscoitos, arroz)  


Evitar

Frituras    
Bebidas alcoólicas   
Tabagismo   
Pães recheados, massas prontas, salgados industrializados   
Molhos à base de manteiga e creme   
Gordura visível na carne, bacon, pele de aves, toucinho   
Embutidos como salame, presunto, mortadela, salsicha   
Creme de leite, manteiga, leite condensado, nata do leite  

 

Referências
Xavier H. T. et al.  V DIRETRIZ BRASILEIRA DE DISLIPIDEMIAS E PREVENÇÃO DA ATEROSCLEROSE. Sociedade Brasileira de Cardiologia . Volume 101, Nº 4, Supl. 1, 2013
Villela NB, Rocha R. Manual básico para atendimento ambulatorial em nutrição. 2nd. ed. rev. and enl. Salvador: EDUFBA, 2008. 120 p.